Acadêmico da Unisul e colunista do Diário do Sul lança seu primeiro livro  

O acadêmico do curso de Comunicação Institucional da UnisulVirtual e colunista do jornal Diário do Sul, Ramires Sartor Linhares, lança seu primeiro livro intitulado “A Égua do Alonso e outros termos e expressões de Tubarão e região”, no dia 20 de outubro, sexta-feira, às 19h30, no Centro Municipal de Cultura. No evento haverá intervenções artísticas e culturais, momento de autógrafos, pronunciamento de convidados e coquetel.

Segundo Ramires Sartor Linhares a obra tem como objetivo registrar, enaltecer e perpetuar na história boa parte do jeito de falar das pessoas e reúne em torno de dois mil termos e expressões que os tubaronenses costumam utilizar na comunicação do dia a dia.

O livro inicia com um pouco da história de Tubarão, numa homenagem ao historiador Amadio Vetoretti; depois os termos propriamente ditos, dispostos em forma de glossário; em seguida uma coletânea de rezas e benzeduras, onde o autor homenageia o seu avô paterno, Antônio Rosendo Linhares, conhecido benzedor da cidade em tempos passados; mais a frente uma coletânea de expressões e ditos que indicam as crendices e superstições da nossa terra; finaliza o livro um pequeno perfil de Alonso Cardoso dos Reis, o dono da icônica égua que dá título à obra.

De acordo com o autor, a ideia de escrever o livro nasceu das manifestações positivas de seus leitores, quando publicou uma crônica sobre o assunto em uma coluna que assina no jornal Diário do Sul, de Tubarão. Depois, uma listinha com alguns termos típicos tubaronenses foi publicada por ele nas redes sociais, gerando também muitos comentários e outras sugestões. Começava então uma pesquisa sobre esse jeito peculiar do falar da cidade, que dois anos depois, se transforma no livro.

“Durante a pesquisa vi que havia muita coisa a ser compilada. Conversei com muita gente que conhece bem a cidade. Passei a prestar atenção e anotar tudo o que me diziam que poderia ir parar nas páginas do livro. Sei que não consegui reunir tudo, mas, muitos termos interessantes da cidade, região e até do estado, estão reunidos na obra, que espero, agrade a todos”, explica o autor, Ramires Sartor Linhares.

A expressão que dá nome ao livro é um dos termos mais tubaronenses identificado dentre todos os outros. Costuma-se dizer quando uma pessoa começa algo e não termina, que está parecendo “a égua do Alonso”, em alusão a dita égua, que nos anos 1970 disputava corridas na cidade, sempre arrancava bem, mas dificilmente vencia as provas. Dessa forma, essas e outras centenas de expressões, que fazem parte do nosso imaginário estão agora imortalizadas na obra.

COMPARTILHAR