A África pelo olhar de um africano refugiado no Brasil

A luta dos povos africanos por independência e emancipação é comemorada neste dia 25 de maio, Dia Internacional da África.

Diante desta comemoração, o Unisul Hoje traz um texto redigido por Ali Yahaya, ganês residente em Tubarão e apoiado pelo projeto Acolhida ao Migrante da Unisul.

Que as indagações de Ali possam elevar a reflexão sobre a percepção do brasileiro para com seus iguais, para com os migrantes, para com a situação do mundo.

Texto escrito por Ali Yahaya

“É intrigante saber que muitos brasileiros pensam que a África ainda está vivendo na era da pedra. Alguns dos meus amigos brasileiros me fizeram várias perguntas sobre a África. Perguntas que me fazem rir: – Ali, há semáforos em Gana? – Há uma praia em Gana? – Seu país é uma zona de conflito?

Admito que há enormes desafios na África, mas o continente é mais desenvolvido e avançado que o sensacionalismo direcionado para as histórias africanas, com exagero, drama e desprezo por parte da mídia. O fato de a fome estar presente na região de Darfur, no Sudão, não significa que esteja em Gana. O mesmo vale para a guerra civil na Somália e Burundi, isso não faz do Senegal uma zona de conflito. A África não é um país, é um continente. Mesmo que alguns países africanos estejam menos desenvolvidos, ou até paralisados por instabilidades, a maioria dos países africanos é pacífica e desenvolvida.

Em toda a África tem recursos naturais, que se bem utilizados poderiam ajudar a tornar a África um lugar melhor.

É fato que o Brasil está mais avançado e desenvolvido do que a África, mas quando viajo para o norte do Brasil as condições de vida de algumas pessoas me deixam diante do fosso entre o norte e o sul. É muito semelhante com a África. As pessoas do norte se parecem comigo e com alguns dos meus povos, mas se sentem estranhos quando me ouvem falar.

Todos os brasileiros são pessoas felizes e o povo brasileiro deve se orgulhar do Brasil. Mesmo como imigrante, sinto o orgulho de me sentir brasileiro. Enquanto marcamos o dia da união africana, nós africanos na diáspora, incluindo aqueles de nós que vivem em Tubarão, devemos ser embaixadores dignos da perspectiva de nossos países e da África como um todo. Os líderes africanos devem evitar a corrupção e ajudar a acelerar a fortuna econômica de nossas pátrias. Se a África aprender a utilizar os recursos, poderá se desenvolver a um nível onde a juventude não deixará seu país para viver em lugares distantes, por um terreno mais verde.

Feliz Dia da União Africana! Viva a União Africana! Viva o Brasil!”

COMPARTILHAR