Animais de estimação: uma ótima companhia para idosos

Dona Umbelina sempre foi uma pessoa muito atarefada. Por vezes, ela saia de casa às 5h da manhã e só voltava às 10h da noite. Cheia de ocupações e trabalho, viu no passar dos anos sua energia diminuir. Veio a doença do marido, a venda dos negócios e a despedida do companheiro de toda uma vida. Assim, ela entrou em um processo de depressão muito grande. A filha explica como percebeu. “Minha mãe fez uma fala um dia para mim muito preocupante, que foi: ‘eu acordo porque os meus olhos abrem’. Então, os olhos dela abriam por conta da claridade, mas não por um querer viver”.

A filha de Umbelina, que também é psicóloga e professora da Unisul, Sâmia Rahim, propôs à mãe adotar um cachorro para fazer a companhia. Hoje, o pitbull Boris, como foi carinhosamente batizado por Dona Umbelina, é o companheiro da senhora de 78 anos. “Eles brincam, às vezes, as tardes inteiras com uma bolinha que ele busca e traz de volta para ser jogada de novo. Ela tinha tantas preocupações antes da terceira idade que ela sentiu um vazio, e o Boris, com certeza, agora veio dar vida para ela”. A parceria com um animal de estimação é realidade em muitos lares brasileiros: de acordo com o IBGE, o número já é superior a 132 milhões.

A escolha do pet ideal

Os pets ajudam a diminuir o mau humor, depressão, estresse, insônia e podem contribuir para o aumento das atividades físicas. Sâmia explica que essa mudança se comprova por conta dos idosos um dia terem sido pessoas muito ocupadas por meio do trabalho, estudo, família e que nesta fase da vida estas atividades diminuem. “O idoso começa a ter uma baixa estima por tudo isso, e quando cria um laço com o pet parece que ele recupera toda essa potencialidade dele que é perdida. E é onde a gente tem a certeza de que isso é muito benéfico”.

De acordo com o médico veterinário e professor da Unisul, Jairo Nunes Balsini, é recomendado para idosos animais de pequeno porte, que sejam adestrados ou mais calmos. No caso de cães, são recomendados animais já adultos por conta de poder observar melhor o comportamento do pet. Essa medida é importante para evitar problemas como quedas e esbarrões aos seus donos e estimula a pratica da adoção de animais abandonados.

Para idosos que tenham mobilidade reduzida e que não possam sair para passear os gatos são recomendados como uma melhor companhia. Pois os animais passam bem alguns períodos sozinhos em casa com ração e água a disposição o que também não preocuparia seus tutores em possíveis saídas de rotina ao médico.

Jairo ainda acrescenta a importância dessa relação de idosos e animais. “Muitos tratam seus animaizinhos como filhos, trocam carinho e dão atenção. O animal tem a necessidade de atenção e o idoso tem esse extinto de proteção por eles. Acabam sendo uma boa companhia entre si. Muitos idosos encontram nos animais, muitos resgatados do abandono, essa presença para diminuir a solidão”.

Saúde em dia

É muito importante cuidar da saúde do nosso corpo, mas cuidar da nossa mente também é. A Unisul possui atendimentos gratuitos na área de Psicologia e os serviços estão disponíveis de segunda a sexta-feira nas Clínicas Integradas, bloco C da Unisul Campus Tubarão. Os agendamentos podem ser feitos pelo telefone (48) 3621-3071. 

Já para manter seu animal com a saúde em dia, o Hospital Veterinário da Unisul (HVU) conta com corpo clínico para atendimento em ordem de chegada das 8h às 11h15min e das 13h30min às 17h15min, mas também atende urgências e emergências durante o horário de expediente.

COMPARTILHAR