Brasil tem condições de evitar tragédias ambientais

De acordo com a coordenadora Silene Rebelo e a professora Marina de Medeiros Machado, do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, o diagnóstico e monitoramento precisos livrariam o país de tragédias como as que ocorreram em Minas Gerais.

O rompimento em Brumadinho ganhou os noticiários e tem gerado discussões sobre as condições de outras barragens existentes no Brasil. Um crime ambiental, independente da proporção, causa impactos graves ao ecossistema e, óbvio, à sociedade.

Ao tomar esta situação como exemplo, a professora Marina de Medeiros Machado fala sobre papel do engenheiro ambiental nos desastres e crimes diante dos impactos ambientais. “A principal contribuição do engenheiro ambiental e sanitarista, nesses casos, é o diagnóstico prévio do local e identificação das características e possíveis inconvenientes naturais. Aos crimes desempenhados pelo homem, o engenheiro é responsável por prever os mesmos através da avaliação de impacto ambiental e ainda atuar na correção dos danos”.

Entre os métodos, destacam-se as técnicas de contenção e, principalmente, monitoramento que devem ser constantes diante da percepção da vazão e contenção da barragem, sendo que quaisquer intervenientes devem ser sanados imediatamente. “O primeiro passo é a avaliação de impacto ambiental decorrente do processo de licenciamento ambiental para definir as medidas de controle ambiental necessárias para minimizar ou compensar os impactos. Em seguida deve-se definir qual o melhor método de tratamento de rejeitos, os quais podem ser vários e que o engenheiro ambiental e sanitarista tem condições de elencar e priorizar”, explica Silene Rebelo, coordenadora do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária .

Para evitar e minimizar os danos é importante a cobrança pelo monitoramento pelas empresas e fiscalizações em que estão os engenheiros. “Os trabalhos de correção envolvem a cobrança pelo monitoramento e ainda, a identificação de áreas de risco e aquelas suscetíveis as quais não são aconselháveis construções através de um estudo aprofundado”, destaca a professora Marina.

Engenharia Ambiental e Sanitária da Unisul

Como a formação na área de Engenharia Ambiental e Sanitária é interdisciplinar a carreira demanda vários campos de atuação como o desenvolvimento de estudos sobre impacto social, econômico e ambiental de atividades e empreendimentos que utilizam recursos naturais; a recuperação de áreas degradadas; o licenciamento ambiental; o controle e remediação ambiental; a gestão ambiental; processos de perícia e auditoria ambiental; sistemas de qualidade e certificação ambiental; o projeto, construção, ampliação e a operação de sistemas de água e esgoto; a gestão e o gerenciamento de resíduos sólidos urbanos, industriais e de áreas específicas como por exemplo da saúde; a prevenção contra a poluição causada por indústrias e pelo tratamento de efluentes industriais.

Uma das novidades é a oferta do curso no período matutino na Unidade Florianópolis.  As inscrições para a Unidade Pedra Branca e Florianópolis estão abertas e podem ser feitas no site da Unisul.

Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Unisul