Dia Mundial do Chocolate: nem os deuses resistiam

Talvez os consumidores de chocolate nem imaginem que sua história é milenar. O preparo sempre foi feito à base de cacau. A planta originalmente chamada de cacaueiro é nativa do México e de regiões da América Central. Na antiguidade, preparos com cacau, parecidos com o nosso chocolate de hoje, eram utilizados como oferenda aos deuses e já tinha papel fundamental na civilização Maia, no México (1000 a.C. a 1450 d.C).

Com o passar dos anos, as técnicas de produção do alimento foram aprimoradas. A criação do cacau em pó tornou possível a fabricação do chocolate sólido. Em meados de 1850 várias receitas foram surgindo, criando muito adeptos ao consumo do alimento no mundo todo. Já existem até os chamados ‘chocólotras’. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (ABICAB), o Brasil é o sexto país no mundo em volume de vendas de chocolate para o varejo.

Porém, muitos questionamentos sobre os benefícios e malefícios do chocolate já foram levantados. Entretanto, independentemente do resultado, o doce não falta na casa dos brasileiros. De acordo com a coordenadora do curso de Nutrição da Unisul, a professora Ana Paula Ferreira da Silva, os chocolates possuem compostos que fazem bem para a saúde, mas é preciso consumir com moderação. “É importante que, ao comprar um chocolate, a pessoa olhe primeiro o rótulo do produto. O primeiro item que aparece na lista é o ingrediente que mais contém. Então, se o açúcar for o composto mais encontrado naquele produto, é preciso consumir com moderação e não comer em grandes quantidades”, explica.

As pessoas estão viciadas em chocolate?

O consumo do chocolate, para algumas pessoas, é considerado obrigatório. Outras comentam que, ao tentar parar de comer o doce, entram em estado de abstinência. Estariam elas então viciadas em chocolate? A professora Ana Paula explica que essas pessoas podem estar viciadas é no açúcar, não no chocolate em si. “Estudos indicam que o açúcar é um composto que vicia, então os chocólatras estão, na verdade, dependentes do açúcar que compõe o chocolate”.

E o que fazer quando essa vontade de comer chocolate ultrapassa a normalidade? A professora da Unisul, a psicóloga Karina Alberton, comenta que todo excesso esconde uma falta. “Portanto, o que eu estou tentando suprir com essa ingestão exagerada de um alimento? Cabe uma reflexão sobre o mecanismo de funcionamento da pessoa. Esse assunto torna-se muito sério quando falamos de saúde mental, já que entendemos que esse pode ser sim o sintoma de uma dificuldade daquela pessoa”.

O que fazer?

Ao comer um chocolate, o Sistema de Recompensa Cerebral é ativado e produz um neurotransmissor que dá sensação de prazer. Por isso é tão comum que as pessoas tenham dificuldade em parar de comer o doce. A professora Ana Paula analisa que o principal não é parar de ingerir o chocolate, mas sim ter uma alimentação diversificada. “Não precisamos tirar um alimento da nossa dieta para comer outro. Podemos comer de tudo, desde que seja de maneira moderada”.

A professora de Nutrição também comenta que, quem come muito chocolate, terá grandes dificuldades de parar de consumir o doce de uma hora para outra. “É preciso reduzir aos poucos. Uma forma de saciar a vontade é misturar um pouco do chocolate com frutas. Dessa forma você ingere um alimento mais saudável e começa a diminuir gradativamente o consumo do doce”.

Então, seja ele amargo ou doce, o chocolate pode sim ser consumido, mas de forma moderada e equilibrada, combinado com outros alimentos.

COMPARTILHAR