Como estimular o hábito da leitura nos jovens?

É cada vez mais precoce o contato das crianças com os aparelhos eletrônicos como celulares, computadores e tablets. Oito em cada dez crianças e adolescentes, com idade entre 9 e 17 anos, era usuário da internet no ano de 2017, de acordo com a pesquisa TIC Kids Online Brasil. Para tentar estimular o hábito da leitura e incentivar os jovens a deixar os eletrônicos e a internet um pouco de lado, o Colégio Dehon realizou na última terça-feira (16) uma feira literária no Espaço Integrado de Arte (EIA), na Unisul campus Tubarão. Durante o evento, o youtuber Mussoumano participou de um bate-papo com os estudantes para falar sobre educação.

O Colégio Dehon, de acordo com o diretor da instituição, José Antonio Matiolla, tenta estimular o hábito da leitura em seus estudantes. Na visão dele, a escola é uma facilitadora desse processo e pode aproximar jovens e livros, pois conta com o espaço da Biblioteca da Unisul para que esse contato aconteça. “A escola consegue ajudar, porém, a maior responsabilidade é da família de incentivar a leitura através do exemplo”, acrescenta.

Segundo a pesquisa que foi desenvolvida pela Cetic-br, que pertence à Unesco, os jovens usam a internet com mais frequência para o envio de mensagens instantâneas (79%), assistir a vídeos (77%), ouvir música (75%) e usar redes sociais (73%). Esses dados acendem um sinal de alerta para a questão de que os jovens utilizam os eletrônicos para entretenimento e distração. Conforme Matiolla, o uso desses aparelhos pode ser substituído muitas vezes por um livro. “A leitura serve como atividade de entretenimento e favorece o desenvolvimento da fantasia, da criatividade e do aumento do vocabulário”.

O exemplo ensina

Matiolla além de diretor também é palestrante. Ele afirma que quando conversa com os adultos tenta alertar que os hábitos das crianças são inspirados neles. “Os filhos veem mais os pais com os celulares nas mãos ou com livros? Se não há o hábito de leitura em casa a criança terá dificuldade de desenvolver ele mesmo com o auxílio da escola. Somos nós adultos que ajudamos os jovens a desenvolverem hábitos saudáveis”, destaca.

“Eu sempre via minha mãe lendo e meu pai comprando muitos livros para que nós lêssemos. E isso fez com que eu desenvolvesse o hábito da leitura. A época era outra e não existia redes sociais, hoje em dia o desafio é maior. Se as crianças observarem os pais lendo é muito possível que elas desenvolvam esse hábito de forma muito mais saudável”, finaliza Matiolla, diretor do colégio Dehon.

COMPARTILHAR