PPGCS da Unisul participa de Congresso Internacional de Nanotecnologia

O professor Luiz Alberto Kanis e os alunos de pós-graduação do programa em Ciências da Saúde da UNISUL (PPGCS-UNISUL), Morgana Souza Marques e Diego Moterle; juntamente com a aluna de iniciação cientifica Maryane Modolon e a doutoranda Karine Modolon Zepon; apresentaram pesquisas do Laboratório de Tecnologia Farmacêutica – TECFARMA no I Congresso Internacional sobre Nanotecnologia – CINA, em Novo Hamburgo Rio Grande do Sul.

Os trabalhos apresentados são resultados das iniciativas do grupo TECFARMA que ocorrem desde 2012 para estabelecer uma linha de pesquisa na área de Nanotecnologia na UNISUL. O grupo trabalha com o desenvolvimento de nanopartículas poliméricas que possam modificar a atividade inseticida de produtos naturais para o combate do mosquito Aedes aegypti. No congresso foram apresentados os estudos realizados com extratos de Piper nigrum e os resultados demonstraram a possibilidade de controlar a liberação do inseticida bem como aumentar a atividade residual destes.

Nanotecnologia na Unisul

Em 2016, o grupo TECFARMA recebeu um reforço nos seu corpo de pesquisadores em nanotecnologia, o professor Doutor Marcos Marques da Silva Paula (Bolsista de Produtividade do CNPq) que está realizando seu pós-doutorado no PPGCS. Marcos trouxe para o grupo sua experiência na produção e caracterização de nanopartículas metálicas, tecnologia que foi incorporada aos projetos de mestrado dos alunos Diego e Morgana. Ambos trabalham com novas formas de obter estas nanopartículas metálicas utilizando materiais de origem natural ou polímeros biodegradáveis gerando assim um reduzido nível de resíduos e baixo impacto ambiental.  Estas nanopartículas metálicas apresentam várias atividades biológicas, como antioxidante, anti-inflamatória e antimicrobiana e isso potencializa a aplicação no desenvolvimento de novos tipos de curativos.

Percepções do Congresso Internacional de Nanotecnologia

O Congresso demonstrou o evidente crescimento do setor de nanotecnologia, e principalmente a importância do setor para o desenvolvimento mundial. As previsões de mercado mostram uma tendência de movimentar 3 trilhões de dólares até 2030. O impacto desta tecnologia sobre a sociedade é tão grande que acredita-se estar passando por uma fase semelhante ou até mais impactante que as primeira e segunda revoluções industriais, a qual pode ser chamada de Revolução da Nanotecnologia.

Esta tendência mundial no desenvolvimento da nanotecnologia é algo que a maioria das instituições de pesquisa e universidades brasileiras incorporam em suas políticas de pesquisa, e é algo que a Unisul e seus pesquisadores tomam como exemplo para não ficar de fora deste movimento.

Texto: Silvane Cauz / Colaboração Reginaldo Osnildo

COMPARTILHAR