Crianças apresentam melhora durante projeto de equoterapia

O Projeto de Equoterapia da Unisul, implementado pelo curso de Fisioterapia, contribui com o desenvolvimento biopsicosossial e atualmente, atende a 16 crianças com deficiência ou necessidades especiais na Grande Florianópolis sempre às quartas e quintas-feiras, no CTG Os Praianos em São José.

Responsável pelo Projeto, o professor Júlio César Araújo, explica que a escolha do cavalo e do grupo de estudantes requer muita atenção devido à confiança estabelecida nesse processo.

“Trabalhamos com dois cavalos testados e treinados para essa prática, selecionados com a média de 80 animais. A criança é atendida sempre pelo mesmo cavalo e mesma equipe de acadêmicos. São estudados e analisados o caso e o plano de tratamento a ser utilizado. A equoterapia favorece o vínculo afetivo entre praticante (criança) e terapeutas (acadêmicos) e praticante com o cavalo”.

As crianças são divididas em dois grupos de oito para serem atendidas pelos alunos do Curso que são distribuídos de acordo com a necessidade do praticante. Em geral, o grupo é composto por três estudantes, um que puxa o cavalo e outros dois nas laterais prestando apoio à criança. Porém, há casos especiais em que o aluno monta junto ao praticante.

A terapia ainda envolve após a prática com os cavalos, um tempo com outra atividade para que outras áreas de necessidades sejam trabalhadas como os problemas de déficit de atenção, comunicação, agressividade, daltonismo ou dificuldades em assimilar números, tudo para contribuir com o melhor desempenho da criança em sua integralidade.

Tanto os pais quanto os praticantes reconhecem os benefícios do tratamento. Um exemplo é a Franciele, mãe do Enzo Gabriel, diagnosticado com autismo e há um ano participa da equoterapia.

“Tem sido uma evolução constante, tanto quanto equilíbrio, observação, contato com as pessoas. É ótimo porque ele gosta, gosta de montar a cavalo, gosta do ambiente e deste momento dele”.

O Projeto de Equoterapia foi criado pelo professor Júlio César Araújo, em 2002, no Campus Tubarão em parceria com a APAE num haras da região. “Devido ao conhecimento por parte da coordenação, dos inúmeros benefícios da equoterapia, pela eficácia de seu tratamento, velocidade que promove mudanças na marcha e coordenação motora e por uma necessidade de complementar a formação do nosso acadêmico conforme uma boa demanda do mercado de trabalho”.

Em 2007, o Projeto já consolidado, foi transferido para o Campus Grande Florianópolis também em mais uma parceira, dessa vez com o CTG Os Praianos, em São José, que disponibilizou o espaço e fez o intercâmbio com os donos dos cavalos utilizados no tratamento. Atualmente o Projeto é desenvolvido em forma de Unidade de aprendizagem, obrigatório e curricular no curso de Fisioterapia.

A cada início de semestre uma nova turma é criada. Para participar da Equoterapia basta entrar em contato com a Clínica Escola de Fisioterapia pelo telefone 3279 1126, inscrever-se em uma lista de espera.

O que é equoterapia?

A equoterapia utiliza os cavalos para estimular o desenvolvimento da mente e do corpo e complementa o tratamento das pessoas com deficiências e necessidades especiais como síndrome de down, paralisia cerebral, derrame, esclerose múltipla, hiperatividade, autismo, dificuldade de concentração, entre outras.