Dia Mundial do Câncer conscientiza sobre a doença

Com o objetivo de conscientizar sobre a doença, que mata 8,3 milhões de pessoas por ano no mundo, neste dia 4 de fevereiro é comemorado o Dia Mundial do Câncer. Trata-se, portanto, de uma data para ser socializada, compartilhada e comentada por todos, para alcançar o maior número de pessoas possíveis, fazendo com que o assunto reverbere o ano inteiro. A exemplo do que fez a Unisul no ano de 2017:

No mês de dezembro, as professoras do curso de Medicina da Unisul, Katia De Bona Porton e Mariane Corrêa Fissmer, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção ao câncer da pele, realizaram no Ambulatório Médico das Especialidades (AME), a avaliação de pessoas com história familiar do câncer de pele; pessoas que trabalham em atividades ao sol; e pessoas que possuam uma ‘pinta’ ou ‘sinal’ que muda de cor, com bordas irregulares, que podem ou não apresentar sangramento ou que cicatrizam com dificuldades. “A disseminação do conhecimento sobre o câncer de pele é essencial para o aumento do diagnóstico precoce e das chances de sucesso no tratamento”, reforça Katia.

Em novembro o professor/urologista Daniel Albrecht Iser alertou sobre o câncer de próstata em um evento organizado pelo curso de Medicina, e oferecido gratuitamente para toda a comunidade. O curso também organizou uma ‘Caminhada pela Saúde do Homem’. De acordo com o urologista Daniel Albrecht Iser, o câncer é o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos (maligno), podendo se espalhar (metástase) para outras regiões do corpo. Segundo ele, a herança genética, uso de alguns medicamentos, a radiação solar e a radiação ionizante (raios-x), o uso de álcool e fumo, são alguns dos fatores cancerígenos. “Por isso, o diagnóstico precoce está relacionado à maior possibilidade de controle oncológico”, reforça.

Confira o áudio da palestra proferida pelo urologista Daniel Albrecht Iser:

No mês do Outubro Rosa, para alertar sobre a importância do diagnóstico precoce, o professor/mastologista Marcos de Medeiros, ministrou a palestra ‘Prevenção ao câncer de mama’. Segundo ele, baseado em estudos, foi visto que mulheres que fazem mamografia sem ter o sintoma conseguem ter uma sobrevida. “Afinal, a conscientização ainda é o melhor remédio. Quem faz o exame diminui os riscos porque detecta o câncer no início”, conclui Marcos. Em complemento, o curso de medicina da Unisul movimentou a comunidade acadêmica, e externa, com a alternativa de doação de lenços, opção para quem não pode doar cabelos para fabricação das perucas usadas pelos pacientes com câncer. Os lenços arrecadados foram entregues ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão.

Em agosto a Unisul, apoiou a campanha ‘McDia Feliz – Sou catarinense de Alma e Coração’. Movimento realizado em prol da arrecadação de fundos destinados para a construção e melhoria do novo ambulatório de oncohematologia do Hospital Infantil Joana de Gusmão. O Hospital é o único especializado no tratamento do câncer infanto-juvenil e a melhoria permitirá tratar doenças malignas como linfomas, leucemias, mieloma múltiplo, etc.

Pesquisas acadêmicas sobre o câncer em 2017:

Em março, a médica nutróloga Isabela Machado David, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), obteve resultados promissores em termos de inibição da progressão de um tipo de tumor de roedores com a dissertação intitulada ‘Efeito quimioprotetor do picnogenol contra a progressão do tumor ascítico de Ehrlich em camundongos: relação com a sua atividade anti-inflamatória e antioxidante’.

COMPARTILHAR