Eletroacupuntura como tratamento para a dor crônica

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED), realizada em 2016, concluiu que 37% da população brasileira sofre com dor crônica (DC). A dor é qualificada como o sintoma de algum problema de saúde, porém, quando ela se torna persistente e permanente acaba por se tornar a própria doença. Atento a isso, o acadêmico de Medicina da Unisul, João Alberto Keller, estudou os efeitos da eletroacupuntura na qualidade de vida de pacientes com dor crônica como tema do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

João, que apresentou seu TCC na última sexta-feira (06), revela que o estudo partiu de um interesse pessoal, pois também sofre com os efeitos da DC em sua rotina e que conheceu na eletroacupuntura um complemento para o tratamento da doença. Assim, buscou avaliar os efeitos da terapia em outros pacientes que possuíam o diagnóstico de dor crônica. Sob a orientação do professor da Unisul, o fisioterapeuta Kelser de Souza Kock, o estudante avaliou 39 pacientes antes e a após a realização do tratamento.

O professor Kelser ressalta que o estudo na área é importante por mostrar à comunidade acadêmica alternativas para o tratamento da dor crônica. “A eletroacupuntura é uma abordagem não farmacológica para pacientes com DC, evitando os efeitos colaterais do tratamento com analgésicos e anti-inflamatórios, que pode complementar a terapia nestes casos”, descreve.

Estudo

Foram avaliadas 39 pessoas para a elaboração do estudo de TCC, sendo 5 homens e 34 mulheres. João chegou a um dado apontado também pela pesquisa da SBED, de que a maioria dos casos de dor crônica ocorre em pacientes mulheres de meia idade e que tem como diagnósticos mais comuns a enxaqueca e as doenças osteomusculares.

A eletroacupuntura é um tratamento que usa a acupuntura e os estímulos elétricos como terapia. Como base, tem a inserção de agulhas em pontos determinados do corpo, o que já é uma prática reconhecida da medicina tradicional chinesa. O que muda é que as agulhas são ligadas a aparelhos elétricos que potencializam os efeitos da terapia por meio do estímulo direto.

Resultados

Os dados obtidos apontaram que quase 70% dos pacientes que faziam tratamentos prévios, principalmente, através de analgésicos, e que utilizavam a eletroacupuntura como prática complementar no tratamento da dor crônica, apresentaram melhoras na qualidade de vida.

Foi constatado que houve evolução na qualidade de vida de pacientes que realizaram a eletroacupuntura, especialmente nos de meia idade, que já haviam feito outros tratamentos, pois possuíam melhor resposta terapêutica. Os resultados obtidos foram a melhora da capacidade funcional, dos aspectos físicos e da saúde mental dos estudados, além do alívio da dor, com potencial diminuição do uso de medicamentos.

COMPARTILHAR