Carreira: especialistas compartilham experiências no mundo da moda

Os apaixonados por moda têm como referência o varejo do luxo em Paris. E para falar sobre o cenário, o curso de Design de Moda da Unisul, trouxe especialistas para um “talk” sobre Varejo do luxo: uma conversa informal, nessa sexta-feira (26), na unidade Dib Mussi. As convidadas compartilharam suas trajetórias e experiências, além das dicas para construir uma carreira profissional de sucesso.

Entre as convidadas, todas graduadas pelo curso de Design de Moda na Unisul, estavam:  Kenia Moreira Cabral, que já coordenou o Curso, e das egressas Sophia Thiesen, designer especializada em vestidos de festa e Jusi Andrett, designer de acessórios para noivas.

Kenia Moreira Cabral é formada em moda, fez uma especialização em marketing e produção de moda e um mestrado em ciência e linguagem na Udesc. Depois, mudou-se para Paris onde ingressou em um doutorado em sociologia na Universidade de Paris – SORBONNE.

O interesse pela moda surgiu ao entrar na faculdade em 1996. Após concluir os cursos, começou a lecionar e trabalhou na coordenação do curso de Moda da Unisul (2003 a 2007). ‘’Sou apaixonada pela história da moda, sempre gostei de dar aula sobre a teoria e estar com os alunos que serão futuros estilistas’’, conta.

Quando acabou o doutorado, ela decidiu continuar em Paris. Começou a trabalhar no varejo de luxo dentro da moda e atuou por seis anos na Chanel. Para Kenia, a concorrência é a maior dificuldade no ramo do luxo. ‘’É um problema muito grande na Europa, por isso a capacitação das pessoas também é muito importante. As empresas querem profissionais cada vez mais competentes, melhor formadas e com uma vasta experiência’’, diz.

De geração para geração

Sophie Thiesen sempre foi apaixonada por moda. Ela já tinha um vínculo com a profissão, pois sua mãe tinha uma confecção para gestantes e a avó paterna fazia vestidos de festa. Porém, mesmo assim, não recebia apoio para atuar no ramo. ‘’Acredito que seja pelas dificuldades que passaram. É um trabalho muito minucioso que exige tempo e dedicação. Mas eu não desisti e continuei a exercer a profissão’’, relembra.

O começo foi difícil para Sophie. Graduada em 2013, trabalhou por seis anos no ateliê da avó. Nesse meio tempo, conciliava o trabalho com a produção de roupas que ela mesma criava e atendia as clientes em seu próprio quarto. Assim, acabou conseguindo uma clientela. As dificuldades sempre existiram, os materiais e a mão de obra são caros e difíceis de encontrar. No final do mês obtinha apenas 20% do lucro.

Dois anos depois de um trabalho pouco lucrativo, Sophie conseguiu se estabelecer. Há oito meses, construiu o próprio ateliê, que conta atualmente com oito funcionários terceirizados. Ela acredita que o necessário para continuar exercendo a profissão é o elo com as clientes, a participação em todas as etapas de produção da peça e a possibilidade de estar presente em momentos especiais.

Acessórios como protagonistas

Jusi Andrett, além da graduação, fez cursos de alta chapelaria, joalheira e gemas – ciência que permite estudar as pedras raras e preciosas de uma joia. Desde nova, se identificou com o mundo da moda: gostava de produzir coisas que ficassem prontas rapidamente. Contudo, demorou para encontrar seu foco profissional. Tentou trabalhar com tricô, crochê, tecidos, pinturas de quadrado, argila, mas nada realmente atraia sua atenção. Foi após o convite da estilista Patrícia Sabiá que Jusi encontrou seu ramo.

Ela sempre gostou de acessórios que brilhassem e fossem glamourosos. No último ano do ensino médio, durante os preparativos para a formatura, Jusi confeccionou brincos para a turma inteira. Patrícia se identificou com os acessórios e convidou-a para produzir algumas peças em seu ateliê. ‘’Foi com as encomendas dela que encontrei uma nova oportunidade de trabalhar na área e de me especializar em acessórios para noivas’’, conta.

Jusi foi convidada a produzir brincos, pulseiras e tiaras que combinassem com os vestidos desenvolvidos por Patrícia Sabiá, e assim, oficialmente, entrou no ramo. O trabalho foi divulgado e estilistas de outros ateliês começaram a procurá-la. Quando começou, em 2007, atendia na própria casa de maneira informal. A especialização em acessórios para noivas surgiu de fato em 2009, após o seu próprio casamento. ‘’Após eu me casar aflorou muito mais essa vontade, me deixou muito mais encantada e apaixonada por esse mundo’’, afirma Jusi.

São mais de 15 anos no mercado e 12 anos na confecção de acessórios para noivas. Com o passar do tempo, ela foi ampliando o conhecimento em relação às suas produções e criou acessórios que não precisassem ser usados apenas uma vez. As tiaras viraram colares, os colares em tiaras, os brincos diminuíam, os apliques de cabelos transformavam-se em broches.

A estilista conta com orgulho a história da sua última coleção: ‘’Há dez anos, quando noivei, eu me meu marido fomos comprar as alianças. Fomos no ateliê da Bárbara K, fomos atendidos pela sua mãe Miriam. Meu marido contou que eu trabalhava com acessórios e ela me pediu uma dica sobre um brinco. Antes de sairmos da loja, ela disse que um dia eu criaria uma coleção de joias de noivas para ela. Aquilo foi muito emocionante’’. Anos depois a coleção foi lançada e se chama Ma Belle.

COMPARTILHAR