Vias catarinenses são recordistas em mortes no trânsito

As estradas catarinenses devem registrar um aumento no movimento em torno de 30% a 40% durante o carnaval. No início deste ano, a Agencia Nacional de Trânsito divulgou dados dos acidentes ocorridos nas vias do Estado durante o período de 22 de dezembro de 2017 a 10 de janeiro de 2018.
Ao todo, foram registrados 55 acidentes com 36 mortes, sendo que sendo que 31 ocorreram em BR (Rodovias federais) e 24 emSC (rodovias estaduais), na grande maioria causados pela combinação da ingestão de álcool e alta velocidade.
A rodovia com o maior número de vítimas foi a BR-282, que liga a Grande Florianópolis ao Oeste do Estado, com 16 mortes. As principais vítimas estavam na faixa etária entre 18 e 25 anos e de 36 a 40 anos.
O levantamento também apontou os horários e causas, 54% dos acidentes aconteceram entre a noite e a madrugada, a ingestão de álcool, a velocidade incompatível e as condições climáticas, juntas, somaram 40%das causas dos acidentes de trânsito.
Um dado que chamou muito a atenção foi a idade das vítimas, onde os jovens são responsáveis por 40% dos óbitos. O professor José Onildo Truppel Filho, coordenador do curso de Segurança no Trânsito, da UnisulVirtual, acredita que inexperiência pode ser uma das causas. “O imediatismo em curtir todos os momentos e a falta de experiência em entender as situações de risco, pode ser um fator determinante. Mas a viagem não é e não pode ser o fim em si mesma. Não é nela que se deve buscar a adrenalina, pois não se tem controle sobre tudo o que está ao seu redor e depende da reação das outras pessoas e da própria via em que transita”.
Estes dados alarmantes impactam nos gastos do poder público, no desgasteemocional das vítimas ou pessoas próximas, gerando prejuízos físicos ou monetários. Nesse contexto, o professor Truppel, explica os motivos que a sociedade deve considerar e ficar atenta porque todos sofremos com as consequências. “Os acidentes de trânsito trazem um prejuízo enorme, porque, na maioria das vezes teremos pessoas machucadas e um acidente pode trazer dor e, invariavelmente, a perda de movimentos,porque envolve a velocidade”.

Quanto ao prejuízo emocional, a família da pessoa que vem a óbito sofre com a perda e isso é incalculável. Já o financeiro, algo que muitas vezes imperceptível, gera despesas à máquina pública que presta atendimento ao acidente. “Levar a vítima ao hospital, mantê-lo internado e depois tratar de toda a sua reabilitação, para ter a possibilidade de voltar a produzir tem um custo altíssimo. Isso quando não se perdem vidas e, segundo as estatísticas, a grande maioria em pleno início da vida produtiva, ou seja, após todo um momento de aprendizado, um sujeito deixa de reproduzir aquela bagagem de conhecimento e se perde tudo. Seria o momento da sociedade ter um retorno de todo o‘investimento’ feito naquela pessoa e tudo seesvai num acidente de trânsito”, destaca o Professor Truppel.

Para contribuir com as ações de prevenção e segurança viária Truppel defende que os ensinamentos da direção defensiva sãoimprescindíveis. “Antes de sair é importante e não custa nada verificar as condições do veículo, se ele pode chegar onde queremos, se temos condições físicas de realizar aquelaviagem, pontos mínimos e essenciais paraserem analisados. Um veículo em más condições e um motorista cansado serão problemas na certa”.

Embora a imprudência por parte do motorista seja um dos fatores determinantes, as condições do trânsito também influenciam nas causas dos acidentes. O Professor aponta, por exemplo agora com a chegada do carnaval, que as vias estarão mais movimentadas e a ansiedade em chegar ao local desejado geram engarrafamentos ou pressa por parte dos condutores em estradasque estão, em grande parte, em más condições. “Sair para viajar sem a desejadapreparação e ainda cansados de todo o trabalho do dia, pode trazer consequências indesejadas. Isso faz com que a viagem seja muito mais cansativa e estressante, fazendo muitas vezes que não se avalie os riscos aos quais se esteja submetendo, com as vias superlotadas de veículos e pessoas sem paciência. Aqui as ultrapassagens perigosas dominam o cenário. Infração que coloca todas as pessoas do veículo em situação de risco, devido a possibilidade de acidente e, principalmente o tipo de acidente, pois colisões frontais são as mais perigosas”.

Além disso, temos uma outra característica nessas folgas mais prolongadas, o momento entre a ida e a volta em que as vias ficam mais vazias, ocasião em que o excesso de velocidade domina. “Um movimento ou uma situação de trânsito que poderia ser facilmente controlada passa a ter contornos de tragédia, face a uma variável inserida no contexto pelo condutor do veículo, a velocidade, ou o excesso desta. Lembre-se sempre que a autoridade que determina o quanto se deve desenvolver de velocidade naquele trecho da via, levou em consideração vários pontos, que muitas vezes são imperceptíveis a quem nela transita, mas a autoridade de trânsito sabe que estão lá. Por isso, respeite o limite de velocidade para poder ter uma boa viagem”, atenta Truppel.

E você, motorista, seja consciente, contribua com um trânsito seguro e siga algumas dicas:
– Preparar-se para a viagem, tanto a pessoa que vai dirigir, quanto o veículo;
– Antes de sair para viajar, ajuste o veículo para a viagem, bancos, espelhos, volante etc.;
– Não coloque as pessoas em risco, pois uma ultrapassagem proibida ou perigosa, pode transformar sua viagem em uma tragédia;
– O limite de velocidade precisa ser respeitado;
– Os demais usuários da via precisam ser respeitados. O trânsito é um espaço de convivência entre várias pessoas que precisam se respeitar e respeitar os limites estabelecidos, para que essa convivência tenha uma certa harmonia.

 

COMPARTILHAR