Médico infectologista alerta para prevenção contra o Coronavírus

O coronavírus teve origem na China no mês de dezembro e até o momento já se alastrou para 20 países.  No Brasil, o Ministério da Saúde lançou o último boletim sobre o caso no final da tarde da quinta-feira, 30/01. O Brasil registra 9 casos suspeitos, que se enquadram nas definições estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas não confirmados.

O médico infectologista e professor do curso de Medicina da Unisul, Gustavo Pinto, alerta que a principal forma de transmissão é através do contato com a secreção oral de pessoas infectadas. “Essa infecção respiratória é transmitida por meio de inalação das secreções, mas uma outra forma bastante comum de transmissão é quando as pessoas que estão infectadas falam, espirram, tossem as suas gotículas de saliva ou de secreções respiratórias acabam ficando no ambiente, no mobiliário como mesas, talheres, pratos, canetas. Neste caso, um outro indivíduo pode se infectar, não necessariamente inalando, mas entrando em contato com essa secreção por meio das mãos e do toque nas mucosas como olhos, nariz, ouvidos e boca. Essa é uma epidemia de fácil transmissão e contaminação”.

O professor Gustavo explica que no momento ainda não existe nenhuma vacina para isso, e nem tão pouco uma medicação específica para a doença, então é preciso se prevenir. “As formas de prevenção mais eficazes são: a lavagem frequente das mãos com água e sabão, uso de álcool gel, de maneira que a mão se mantenha sempre desinfetada e, também, a utilização de máscara em caso de frequentar locais com grandes aglomerações (sem recomendação ainda no Brasil)”.

Segundo o Dr. Gustavo, aparentemente, as pessoas que já estão infectadas, mesmo antes da apresentação de sintomas e mesmo sem saber que estão infectadas, podem transmitir antecipadamente o vírus para outros indivíduos. As pessoas mais vulneráveis para esta doença são as que já apresentam alguma doença pulmonar, os fumantes ou asmáticos e as pessoas de idade mais avançada.

Os sintomas mais comuns do coronavirus são: febre, tosse e falta de ar. Outros sintomas como, dores musculares, dor de cabeça, confusão mental, irritação na garganta,  desconforto no peito, também foram verificados.

Situação do coronavírus até a manhã desta sexta-feira (31), de acordo com o site G1

213 mortes na China
9.720 casos suspeitos na China
Outros 20 países têm mais de 100 pacientes infectados
Reino Unido confirmou o primeiro caso de coronavírus
9 casos suspeitos no Brasil até 7h de sexta (31/01)

COMPARTILHAR