Especialização lato sensu aborda novas configurações familiares

Os anos iniciais são fundamentais para o desenvolvimento da criança, e vai pontuar se o desenvolvimento infantil será mais ou menos saudável, do ponto de vista psíquico. Para os psicólogos e psicopedagogos, profissionais do SUS, conselheiros tutelares e demais profissionais que atuam direta e indiretamente com os aspectos da infância, os desafios aumentam constantemente. Afinal, há novas configurações familiares que influem neste desenvolvimento.

De acordo com a professora Andrea Wronski, coordenadora da especialização lato sensu em Infância e Desenvolvimento Infantil, “a literatura trata ainda o pressuposto de família pai, mãe e filhos, o que se denominava família nuclear. Entretanto, hoje há famílias monoparentais, não pelo divórcio, mas por opção, onde o pai ou a mãe faz a escolha da adoção, inexistindo a figura do outro. Há famílias multiparentais, onde todos integram a mesma residência. Há o surgimento, também, de famílias oriundas de relações poliamorosas e famílias homoafetivas, com dois pais ou duas mães”, aponta ela.

Esta conjuntura atual que apresenta diversidades familiares, sociais e educacionais, exige dos profissionais uma ampliação de seus saberes sobre as novas configurações familiares, sobre os impactos da modernidade na constituição psíquica das crianças e as relações escola e família, para qualificar suas intervenções nesses espaços. Para suprir esta necessidade de conhecimento especializado a Unisul oferece presencialmente a pós-graduação lato sensu em Infância e Desenvolvimento Infantil. “A especialização, ao mesmo tempo que tem uma visão importante para a psicologia clínica, também dá conta de fazer esta compreensão da infância e do desenvolvimento infantil nos outros universos sociais”, reforça Andrea.

Os interessados podem se inscrever até o dia 16 de março, no link: Infância e Desenvolvimento Infantil. O investimento pode ser parcelado.