Novembro Azul: PrevUnisul na campanha de luta contra o câncer

Se o mês de outubro tem a campanha de luta contra o câncer de mama, o Outubro Rosa, cujo foco está na realização da mamografia para identificar a existência da doença, novembro é o mês de outra ação igualmente importante, o Novembro Azul.

Novembro Azul: segundo dados do Instituto Nacional de Câncer – INCA, o câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os homens no Brasil; e a PrevUnisul está engajada na campanha que visa combater o câncer de próstata, chamando a atenção para a necessidade de realização do exame preventivo.

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que os homens procurem, a partir dos 50 anos de idade, um urologista para uma avaliação individualizada.

Novembro Azul: O diagnóstico do câncer de próstata, caso detecte a doença em seu estágio inicial, permite o tratamento para que o paciente possa levar uma vida normal.

Focada especialmente na saúde do homem, o Novembro Azul precisa lidar com uma série de tabus na sociedade masculina: medo, receio e vergonha entre eles. A exemplo do Outubro Rosa no caso das mulheres, no Novembro Azul o foco é conscientizar o homem que o exame pode salvar vidas se diagnosticado precocemente. O exame de toque, junto com o antígeno prostático específico – PSA[1], deve ser feito anualmente, como rotina.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) explica que a detecção precoce é destinada ao diagnóstico, caso haja sinais da doença, e o rastreamento (exames de rotina, como o toque retal e o PSA), para os casos em que não existem sinais ou sintomas.

[1] De acordo com o Instituto Oncoguia, antígeno prostático específico (PSA) é uma substância produzida pelas células da glândula prostática. O PSA é encontrado principalmente no sêmen, mas uma pequena quantidade é também encontrada no sangue. A maioria dos homens saudáveis têm níveis menores de 4 ng/ml de sangue. A chance de um homem desenvolver câncer de próstata aumenta proporcionalmente com o aumento do nível do PSA.

Texto: Patricia Motta Fagundes / Colaboração Reginaldo Osnildo

COMPARTILHAR