Nobel da Paz encerra Conferência Links 2015

A palestra intitulada “Caia na Real – O mundo não pode alimentar 9,1 bilhões de pessoas até 2050” foi proferida na noite desta quinta-feira, 24, pelo economista britânico Benny Dembitzer, Prêmio Nobel da Paz de 1985. O evento realizado no Espaço Integrado de Artes da Unisul campus Tubarão foi o encerramento da “Conferência Internacional Links 2015: ligações entre o consumo de energia, alimentos e água no Brasil, no contexto das estratégias de mitigação das mudanças climáticas”.

A palestra reuniu mais de 500 pessoas entre professores, gestores, pesquisadores, estudantes, responsáveis por projetos e autoridades locais, além do público em geral. As línguas oficiais do evento foram o português e o inglês, sendo que as primeiras 300 pessoas que chegaram receberam o aparelho para tradução simultânea Benny Dembitzer, antigo diretor do Escritório Europeu da “International Physicians for the Prevention of Nuclear War” e atual diretor gerente da “Grassroots Africa”, pediu que a comunidade acadêmica se mobilize através de pesquisas e ações e tornem seus trabalhos relevantes e que desafiem seus governos quanto à sustentabilidade do planeta.

Dembitzer estimulou a reflexão sobre a escassez de água, desigualdade, alterações climáticas, epidemias, urgência da migração, conflitos armados, êxodo rural, corrupção em escala global, superpopulação e a iminência de possíveis conflitos nucleares. O palestrante comentou sobre a má distribuição de renda: “1,4 bilhões de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza em todo o mundo, com 1,25 dólar por dia” o que contribui para “uma fome catastrófica mundial, onde 25 a 30 mil pessoas morrem por dia”.

A palestra abordou a necessidade do uso de energia solar como energia limpa, preservando o meio ambiente. Reforçou a ideia da sustentabilidade como resolução da crise energética mundial. “Não deixemos que esse problema do presente seja deixado para o futuro, se podemos resolvê-lo no presente, ” afirma o Gerente de Ensino, de Pesquisa e de Extensão do campus de Tubarão, Rafael Ávila Faraco.

COMPARTILHAR