Pesquisadores da área da Análise do Discurso participam da IV Sedisc

A IV Edição do Seminário Discurso, Cultura e Mídia (Sedisc) reúne até esta quarta-feira (14), na Unidade Pedra Branca, pesquisadores de todo o país na área da Análise do Discurso e as investigações que são convergentes na área da cultura e da mídia. O primeiro dia de apresentações do Sedisc contou com a participação do reitor da Unisul, Mauri Luiz Heerdt, seguido da fala da coordenadora do Programa de Pós-Graduação da Unisul, Nádia Neckel.

Segundo a professora Nádia Régia Maffi Neckel, organizadora do Sedisc, o tema dessa edição faz parte do texto de um dos autores de Análise do Discurso Michel Pecheux, além de ser um tema muito atual, que sugere a refletir e pensar ações de pesquisas. “É preciso ousar se revoltar, se revoltar nos pequenos acontecimentos do dia a dia, a falta de inclusão social, se revoltar e querer uma boa qualidade de ensino, coisas que nos tiram da nossa zona de conforto e nos tira da prática individualista, passa a ser um prática mais comunitária, pensando na sociedade. Além disso, abre espaço para trabalhos de iniciação científica na área da análise do discurso que tem como objeto a cultura e a mídia”, afirma.

Conheça o Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem da Unisul

A primeira parte do evento começou com a Mesa I de Discurso, Arquivo e Tecnologia. Os convidados foram Juliana Silveira (Unisul) e Guilherme Adorno (PPGCL-UNIVÁS), com coordenação de Solange Gallo (Unisul). Na mesa, discutiu-se a leitura de arquivos nas mídias sociais digitais, mais especificamente, no campo político midiático. Juliana discorreu sobre o efeito-r(h)umor, noção trabalhada na sua tese, e Guilherme levantou a questão do objeto paradoxal. Apontando para a questão da máquina e do humano nos espaços informatizados, Solange Gallo problematizou a discussão com a questão: na teoria e na prática: para onde vamos?

O Simpósio I, seguindo a mesma linha da Mesa I, continuou as discussões do digital, compreendendo as noções de arquivo e tecnologia, no modo como o digital atravessa todos os campos do saber na contemporaneidade e os organiza de forma específica. Glória França (UFMA) e Solange Mittmann (PPGL-UFRGS) coordenaram, e tiveram como convidados Ronaldo Adriano de Freitas, Vitor Pequeno, Maristela Curry e Célia Bassuma.

Na parte da tarde, o evento seguiu com a Mesa II Discurso, Interpretação e Materialidade. A Suzy Lagazzi (IEL/PPGL/UNICAMP), apresentou o vídeo Marielle Presente, que trata do genocídio da vereadora Marielle Franco, no Rio de Janeiro. Mara Lúcia Salla (Unisul) debateu sobre o longa-metragem, Que horas ela volta?, com enfoque nos lugares sociais ocupados pelas personagens. E a designer gráfica, Anelise Zimmermann (DESIGN/CEART/UDESC), destacou o trabalho realizado no design das embalagens de alimentos, refletindo sobre como o profissional desta área deve agir.

Em sequência, o Simpósio, do mesmo eixo temático, contou com a participação de Telma Domingues, Silvânia Siebert, Israel Vieira Pereira, Roberta Rosa Portugal, Maraline Aparecida Soares, Gesualda Maria, Fábio Rocha e Bruno Arnold. Discutiu-se a resistência e a deriva que são textualizadas em vários suportes materiais, como movimentos discursivos, colocando em cena a diferença do trabalho político no social.

Conheça o Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem da Unisul