Professora defende tese com pesquisa inédita sobre adenovírus 36

O adenovírus 36 está comprovadamente associado a obesidade em humanos por alterar o tecido adiposo, aumentando a ingestão alimentar e estimulando a produção de novas células de gordura. Porém, isso nunca havia sido estudado em pessoas infectadas também pelo vírus HIV. Essa relação foi pesquisada pela professora da Unisul, Helena Caetano Gonçalves e Silva, em sua defesa de doutorado, no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da Unisul.

Segundo a pesquisa, pessoas que vivem com HIV também têm apresentado aumento de gordura corporal ao longo dos anos, muitas vezes, associada a terapia antirretroviral. Porém, também tem sido visto em pessoas que não iniciaram o tratamento. O estudo entre a associação do adenovírus 36 e do HIV é inédito e contou com uma parceria internacional com o doutor Richard Atkinson, que realizou as análises nos Estados Unidos.

Na tese, a doutoranda observou que as pessoas que vivem com HIV, aquelas coinfectadas pelo adenovírus 36, apresentaram maior frequência de obesidade geral e central. Entretanto, não houve associação estatisticamente significativa.

Futuras pesquisas

Por conta dos resultados obtidos na tese, novos estudos serão necessários. Helena, juntamente com a professora doutora Fabiana Schuelter, orientadora da tese, e demais integrantes do grupo de pesquisa, já estão elaborando projetos futuros para dar continuidade ao estudo.

A tese, intitulada “Coinfecção pelo adenovírus 36 em pacientes com HIV e sua repercussão na síndrome lipodistrófica” foi avaliada pelas professoras doutoras Ione Jayce Ceola Schneider, Betina Hörner Schlindwein Meirelles, ambas da Univesidade Federal de Santa Catarina, e Aline Daiane Schlindwein e Gislaine Tezza Rezin, professoras titulares do PPGCS.