Projeto leva cultura de paz às escolas a partir das práticas restaurativas

O Projeto de extensão Cultura de Paz nas Escolas, com inscrições até 02/09, aplica a metodologia norteada pelas práticas restaurativas para que os gestores e professores lidem da melhor maneira com as situações de conflito nas escolas de ensino fundamental e médio. As aulas são 100% gratuitas e a distância pela UnisulVirtual. Mais informações no site da Unisul.

Esta é a segunda edição do Projeto e se estende aos alunos da Universidade, presenciais e distância, e também, demais interessados pelas práticas restaurativas cada vez mais em voga nos ambientes de aprendizagem para auxiliar na conscientização, prevenção, diminuição, combate de violência e conflitos como nos casos de bullyng. Embora seja uma medida nova no Brasil, na última década apresenta iniciativas diversificadas e coleciona resultados positivos.

Metodologia do Projeto Cultura de Paz nas Escolas

A metodologia a ser aplicada está pautada nas práticas da Justiça Restaurativa, sendo a principal delas utilizada neste projeto os círculos restaurativos, chamados de Círculos de Construção de Paz. As dinâmicas que compõe as etapas do processo estão disponíveis no site do Projeto.

Práticas Restaurativas do projeto

A Justiça Restaurativa nas Escolas busca sensibilizar o corpo discente e docente, quanto às práticas pacíficas para de conflitos escolares, faz uso do diálogo como ferramenta e os valores da justiça restaurativa, explica a professora Patricia Santos, coordenadora do Projeto: “a empatia, empoderamento, esperança, honestidade, humildade, interconexão, participação, percepção, respeito e responsabilidade; todos utilizados para resgatar a dignidade humana e disseminar a cultura da paz, promovendo um ambiente pacífico e uma convivência harmonizada. Assim, a Justiça Restaurativa nas escolas visa contribuir para que a comunidade escolar (alunos, professores, pais e responsáveis) possam estabelecer diálogos e resoluções pacíficas de conflitos, agindo também de forma preventiva. A metodologia a ser aplicada utilizada nas escolas será o círculo de construção de paz, que propõe um encontro de pessoas que querem pensar novas formas de relações respeitosas, solidárias e verdadeiras”.

Tais práticas serão aplicadas com base na Resolução 225/2016, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que dispõe sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa, e, em seu artigo 1º dispõe: “Constitui‐se como um conjunto ordenado e sistêmico de princípios, métodos, técnicas e atividades próprias, que visa à conscientização sobre os fatores relacionais, institucionais e sociais motivadores de conflitos e violência, e por meio do qual os conflitos que geram dano, concreto ou abstrato, são solucionados de modo estruturado”.

COMPARTILHAR