Grupo de Pesquisa aprova projetos desenvolvidos por mulheres

O Grupo de Pesquisa em Tecnologias Limpas começou 2019 com dois projetos aprovados um em agricultura familiar pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e o outro, em engenharia e computação, no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Os dois projetos tem a duração de um ano e envolve os cursos das Engenharias, Sistemas de Informação, Moda e Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA)
da Unisul .

A proposta do projeto Agricultura Familiar no Estado de Santa Catarina: Estudo da produção de morangos consiste em implementar junto a produtores, técnicas sustentáveis para a melhora na competitividade. A partir disso, serão estudadas as condições de trabalho e ambientais da agricultura em família, com foco na produção de morangos, elaboção de boas práticas e abordagens teórico metodológicas: Produção mais limpa e Ergonomia, uma grande inovação. A pesquisa se desenvolve em diferentes municípios de Santa Catarina, um no Rio Grande do Sul e um em Minas Gerais e tem o envolvimento das professoras Anelise Cubas, Ana Regina de Aguiar Dutra e Elisa Helena Siegel Moecke, Ines Alessandra Xavier Lima e do professor Baltazar Salgueirinho Andrade Guerra.

Para estimular os jovens estudantes do ensino médio de escolas públicas a ingressarem na área de engenharia, computação e sistemas de informação, o projeto As Engenharias e a Computação no universo feminino oferece possibilidades reais de carreira e crescimento profissional. Serão quatro oficinas de conhecimentos desenvolvidas nos laboratórios de engenharia da universidade, com um corpo docente experiente e altamente qualificado, voltadas a área tecnológica aplicada ao universo feminino. O estudo realizado em cinco escolas públicas, vai beneficiar mais de 300 estudantes. O projeto envolve as professoras: Anelise Cubas, Marina Medeiros Machado, Ivete de Fatima Rossato, Ana Regina de Aguiar Dutra e Elisa Helena Siegel Moecke, Simone Keller Fuchter e Adriana Canto.

Oportunidades para mulheres na ciência

Atualmente, apenas 30% dos cientistas do mundo são mulheres, e buscando diminuir essa desigualdade, o Programa para Mulheres na Ciência premia há 14 anos, sete cientistas nos campos de Matemática, Química, Física e Ciências da Vida com uma bolsa de 50 mil cada para investimento em pesquisa. Foram 524 inscrições só no ano passado. Mais informações no site Para Mulheres na Ciência.

O Projeto das Meninas na Ciência oferece 23 bolsas de estudos e envolve cinco escolas. Deste total, 15 para estudantes do ensino médio das escolas públicas, cinco 5 para professoras de ciências exatas das escolas públicas e três bolsas para estudantes dos cursos de engenharia da Unisul.