A reintegração do jovem na sociedade por meio da assistência humanizada e integrada será debatida na Unisul

A Unisul sediará o “Encontro Estadual de Integração de Práticas Socioeducativas” nos dias 25 e 26 de outubro, na Unidade Pedra Branca, em parceria com o Departamento Socioeducativo do Estado de Santa Catarina, a fim de discutir as práticas e medidas existentes e as que poderão contribuir com a reintegração do adolescente autor de ato infracional na sociedade, bem como debater a prevenção da violência e da criminalização.

Serão dois dias de evento em que especialistas, órgãos de segurança e autoridades promoverão debates que por meio de palestras e painéis, serão propostas reflexões à sociedade, autoridades e em especial, aos agentes socioeducativos visando disseminar essas “boas” práticas de assistência humanizada.

Importante destacar que nos dias atuais em que se fala da maioridade penal, deve-se considerar o ambiente no qual esse jovem está inserido. Há um contexto, uma realidade, por trás das atitudes e que requerem da sociedade e dos agentes socioeducativos que se deparam mais de perto com a situação:  um preparo e sensibilidade para atuar nos casos, fazendo-se necessária a intervenção do Estado mediante a aplicação de uma medida socioeducativa.

Por este viés, entra o papel da Universidade e das pessoas que acreditam no poder das práticas pedagógicas, seja ao prevenir ou reinserir esse adolescente na sociedade. “O jovem representa efetivamente o nosso presente, e não apenas o futuro do país. Independentemente de ter entrado em conflito com a lei, cabe ao Estado e suas estruturas exercerem práticas educativas que facilitem a inserção dos jovens e o seu acolhimento sopesando sempre seus direitos e deveres. E a Unisul se põe como espaço para acolher a comunidade engajada na comunicação e difusão do pensamento cientifico”, explica o professor Giovani de Paula, coordenador do programa de Pós-graduação em Segurança.

Toda essa trajetória da Universidade e do Núcleo de Estudos em Sociedade, Segurança e Cidadania – grupo de pesquisa da Unisul que trata também dessa temática – tem permitido que se construam “pontes” com várias instituições e órgãos, como por exemplo, a Secretaria de Justiça e Cidadania e o Departamento de Administração Socioeducativo (Dease). “A partir dessa aproximação e interlocução tem se buscado efetivar um movimento social e acadêmico de conhecimento mais pertinente e aprofundado sobre o tema, que aponta e procura conciliar os deveres do jovem adolescente eventualmente em conflito com a lei com seus direitos inerentes à acessibilidade, bem-estar, saúde, segurança e integração social, enfim, que permita sua convivência como sujeito histórico de direitos em nossa sociedade”, destaca o Prof. Giovani de Paula, que  coordena o evento junto ao Dease.

Confira a programação:

COMPARTILHAR