Quando a determinação é combustível a vida se torna doce

Conheça a história do estudante que, mesmo desempregado, encontrou uma solução para não desistir dos estudos e seguir em frente com o sonho da profissão:

Natural de Tubarão, Patrick da Silva Mendes, 20 anos, estudante do curso de Nutrição pelo ProUni, está desempregado desde abril. Sua última ocupação foi como vendedor de tênis no Farol Shopping. O relato de Patrick parece com o de qualquer outro jovem na atual situação econômica que o Brasil vive, um relato de dificuldades. Mas a história dele não para por aí.

No dia a dia, junto com a namorada, na época também desempregada, fazia bolos em casa, praticando o que estava aprendendo no curso de Nutrição da Unisul. Entre uma foto e outra nas redes sociais as pessoas começaram a elogiar e incentivar que ele vendesse a produção, incentivo que vinha da namorada e amigos.

Inspirado pelo espírito empreendedor, o estudante decidiu inovar e dar um upgrade no que aprendeu com a vó e com a mãe. E, junto com a namorada transformou o bolo tradicional que é vendido nas padarias. “O que faria a pessoa comprar de mim e não comprar na padaria da esquina?”, foi o que pensou o estudante. Segundo ele, se o bolo que vendesse fosse exatamente igual as pessoas não comprariam. Pensando nisso, o primeiro produto oferecido por Patrick foi um bolo de chocolate transformado em bolo de brigadeiro, e servido gelado.

Os primeiros clientes foram os amigos, parentes e amigos de amigos, e a venda realizada por aplicativo de mensagens, com envio de fotos da produção e confirmação do interesse. A comunicação boca a boca levou a notícia e, aos poucos, as pessoas perceberam que ele estava no mercado. “Um dia comum, eu em casa, e chega no portão uma mulher de motoneta: – Tu que é o menino que faz bolo? – Perguntou ela para mim”, conta ele. Foi a primeira grande encomenda do jovem empreendedor, 3 bolos de brigadeiro e 4 empadões.

Parece pouco, mas aquilo o incentivou ainda mais.

Com uma caixa térmica nas mãos, Patrick sai caminhando pelos bairros da cidade para fazer as entregas e acaba oferecendo em construtoras, lojas e empresas com bastante funcionários. “Ao levar o pedido do cliente, levo uns a mais. Se alguém se interessar tenho em mãos”, reforça ele.

Ele usa o que aprendeu no curso para a construção dos bolos. Entretanto, o segredo ele não revela, mas confidenciou que a receita apareceu com a prática, com a tentativa e erro. “No curso estudamos as frutas, as verduras e aprendendo sobre as propriedades de cada uma, com benefícios para a digestão, para circulação, entre outros. Penso em seguir minha profissão, mas ao mesmo tempo neste negócio paralelo. Talvez com uma venda de produtos saudáveis”, destaca ele.

Quando perguntado sobre o fato de ele não desistir de estudar, mesmo diante das dificuldades, ele destaca que o apoio da mãe, Maria Aparecida da Silva Mendes, foi fundamental. Mesmo com a luta ela o incentivou para não trancar o curso. “O que me fazia mal era não poder ajudar com as contas. Não vou falar que todo dia eu vendo, mas com a venda dos bolos a preocupação diminuiu. Já consigo pagar uma conta de água, uma conta de luz. Com uma dívida a menos, tiro a preocupação que pairava, que impedia de se concentrar nos estudos”, conclui Patrick.

O estudante criou um nome fictício para oferecer os bolos de cenoura com cobertura de chocolate, brigadeiro, milho, coco, empadão e bolo salgado, sãos os bolos de Dom Cipriano.

COMPARTILHAR