“Sem autonomia é impossível a criatividade”

Gabriela Ferrarez
Repórter estagiária jornal Unisul Hoje

Com essa frase, o vice-reitor, professor Mauri Heerdt, definiu a ideia central da Semana Criativa, promovida na Unidade Florianópolis, Rua Dib Mussi. A primeira atividade foi do professor espanhol Javier Garcia Burón que tratou do relacionamento do FabLab de Limerick, na Irlanda, com as demandas da comunidade. O evento dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Moda e Design, segue até quarta-feira, 25, sob as temáticas Movimento Maker e Fabricação Digital.

Na University of Limerick, o FabLab é um espaço dedicado a fabricação digital com impressoras a laser, 3D e CNC.  Burón relatou que trabalham com um claro componente social. “Expliquei também como aproveitamos esse espaço acadêmico relacionando-o com a cidade de Limerick, que é onde eu desenvolvo o projeto”, disse.  Para ele, o aluno deve transformar a partir da sociedade.

Como universidade comunitária, a Unisul construiu a tradição de usar o conhecimento acadêmico para resolver problemas da comunidade. Com o projeto FabLab Unisul será possível agregar e fortalecer essas relações entre aluno, universidade e comunidade. “Percebi uma grande participação dos alunos aqui na Unisul. Está sendo muito bem liderado e conduzido. Creio que é uma nova forma, muito interessante. Nós concordamos que o aluno tem uma função muito importante, que não apenas assistir a aula”, completou Burón.

A ideia do aluno como partícipe e colaborador para a própria formação foi defendida pelo vice-reitor, professor Mauri Heerdt. “Para o estudante fica claro que cada vez mais ele é o protagonista. Ele é o autor principal da sua história de aprendizagem. A autonomia do estudante que é importante. Estamos falando da Semana Criativa, portanto, sem autonomia é impossível a criatividade. Então essa é a mensagem central desse evento”, apontou.

A Semana Criativa conta com a parceria do Instituto Federal de Santa Catarina, da Universidade Federal de Santa Catarina e da Universidade de Limerick. O aluno da sétima fase do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unisul, Hottmar Loch, conquistou uma vaga no Programa Ciências sem Fronteiras e estudou na University of Limerick.  Ele foi um dos organizadores do evento na Unisul. “A função do FabLab é essencial para o compartilhamento de conhecimentos, integração e desenvolvimento de soluções para a comunidade. Seu conceito é muito diferente do que ter uma sala com todo esse equipamento dentro. É uma integração, é a presença de todo mundo envolvido, é a interdisciplinaridade”, definiu.

Para Loch, o FabLab é um espaço feito por pessoas de diferentes áreas com objetivos comuns. “Fabricação digital tem crescido muito no mundo e o principal ideal do FabLab é a democratização de conhecimento, equipamento, incentivo, além da originalidade de projetos criados a partir da fabricação digital”, complementou.

Para o aluno William dos Santos, da oitava fase de Arquitetura e Urbanismo, a função do FabLab é visível. “No curso a gente lida muito com comunidade. Temos a questão do planejamento urbano. Sabemos do déficit de habitação e dos problemas nas comunidades. Então acho que a gente implantar um FabLab aqui é fundamental para abrir a visão dos alunos. Para mostrar que existem problemas que podem ser resolvidos pela fabricação digital”, afirmou. Já, para João Matheus, que cursa a terceira fase de Design, a palestra foi uma motivação. “Trazer conhecimento de fora foi bem importante porque no começo do curso muitas vezes temos medo de interagir com novas ideias. Então, te impulsionar a tentar coisas novas foi essencial”, disse Matheus ao parabenizar os organizadores.

Mais informações no site no evento. 

COMPARTILHAR

1 Comentário

Comments are closed.