Dissertação estuda casos de transtorno do espectro autista na Região Sul

Nesta quinta-feira, 24/8, o mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), Roberto Gaspari Beck, defendeu a dissertação ‘Estimativa do número de casos de transtorno do espectro autista no sul do Brasil’. Sob a orientação da professora Betine Pinto Moehlecke Iser, e coorientação da professora Jucélia Jeremias Fortunato, o estudo teve por objetivo estimar a prevalência de Transtorno do Espectro Autista nos estados da região sul do Brasil, a partir de dados enviados por órgãos de apoio a indivíduos com Transtorno do Espectro Autista, como as Associações de Pais e Amigos de Excepcionais (APAEs), Associações de Amigos dos Autistas (AMAs) e a Associação Brasileira de Autismo (ABRA).

A coleta de dados foi realizada por telefone e e-mail. No total, foram relatados 1254 casos deste transtorno, com prevalência estimada em 3,85/10.000 habitantes. O maior número de casos relatados estava na faixa de 5 a 9 anos de idade e verificou-se uma razão de 2,2 casos do sexo masculino para cada caso do sexo feminino. “Por não haver uma base formal de registro dos casos de Transtorno do Espectro Autista e nem todos os casos estarem vinculados às instituições participantes, estima-se que a prevalência encontrada esteja aquém da realidade no sul do país”, destaca Roberto.

A banca foi composta pela professora orientadora Betine Pinto Moehlecke Iser, avaliadora externa, Patrícia Duarte Simões Pires (Unesc) e avaliadora interna, Fabiana Schuelter Trevisol (Unisul).

COMPARTILHAR