Turismo rural é um dos destinos escolhidos para recarregar as energias

O brasileiro gosta de viajar e também está acostumado a receber turistas. O mercado é responsável por cerca de 8% Produto Interno Bruto (PIB) nacional por movimentar mais U$$ 163 bilhões, de acordo com o Ministério do Turismo, em 2018. Além dos tradicionais destinos do litoral brasileiro, o interior tem se destacado através do turismo rural, um novo modelo de negócio que movimenta a economia do país e no mundo.

Turismo rural cresce no Brasil

O turismo rural ganhou adeptos no mundo que procuram por recantos mais afastados para fugir da rotina dos grandes centros urbanos, com opções de lazer alternativos e belas paisagens que transmitem aquela sensação de paz, sendo locais ideais para recarregar as energias.

Esse modelo de negócio é relativamente novo no Brasil e surgiu para salvar a Europa após a Segunda Guerra Mundial, diz o professor Guilherme Buchmann, coordenador do curso de Turismo da UnisulVirtual. “Para se ter uma ideia, o Guia Michelin mostrava a rota dos queijos, pois era a única coisa que sobrara para comer durante o período do caos. Assim, o agroturismo teve grande impulso, principalmente na década de 1960, com a profissionalização do setor em todos os países europeus por meio de escolas técnicas e valorização da agricultura familiar”.

Já no Brasil, essa realidade chegou quase 50 anos depois e cresce a cada dia, entretanto não pode se resumir somente às políticas públicas. “É necessário capacitação ao homem do campo e certeza da rentabilidade para a sua permanência na atividade. Lembro que o êxodo rural foi o maior problema do Brasil no século passado”, aponta o professor.

Quanto aos resultados, pode-se afirmar que se comparados com outros países são positivos e tender a se firmar. Contudo, como todo bom negócio, não basta ser rural ou rústico. Também é preciso ser confortável, seguro e profissional, explica Guilherme. “Vivemos em um país com uma imensa faixa litorânea e famoso no mundo inteiro por suas belezas naturais, mas, o que muitos esquecem é que a maioria do território é longe do litoral, o que não significa que não tenha atrativos. Pelo contrário, o Brasil é imenso em potencialidades e ofertas de qualidade. Quando bem explorado, e com responsabilidade ambiental, tende a se firmar como atividade sustentável e atrair turistas do mundo inteiro. Hoje qualquer um tem aplicativo para anunciar seu equipamento turístico e instantaneamente ganhar o mundo. Mas volto a falar, se for um equipamento deficiente, a propaganda vai ser negativa e o negócio acaba”.

O professor Guilherme, ainda, dá algumas digas para quem vai receber os visitantes e aos turistas: “Se qualifique. Estude seu potencial, seu mercado e sempre busque a sustentabilidade. E para os turistas eu digo para aproveitar o dia (Carpe Diem). Apesar das mídias mostrarem somente a grande festa do carnaval, descansar e contemplar também é uma ótima opção para aqueles que necessitam recarregar as baterias. Procurem locais capacitados e com responsabilidade ambiental. Valorize a cultura local, e deixe somente pegadas. Leve artesanato, lembranças e o carinho pela cultura visitada”.

Como o curso de Turismo da Unisul trabalha as novidades do mercado de trabalho?

O Curso vem justamente efetuar a ligação entre às políticas públicas e às necessidades dos empreendedores e profissionais do turismo, destaca Guilherme. “Isso porque existe a ênfase no planejamento, no inventário dos equipamentos, no estudo da legislação, no impacto ambiental e cultural, na capacidade de carga dos ambientes e na capacitação técnica do profissional que irá atuar no cenário do turismo. Assim, a atividade torna-se lucrativa e com responsabilidade, para que as próximas gerações possam usufruir dos mesmo benefícios, e gozar de uma vida com qualidade”.

COMPARTILHAR