Empresários noruegueses visitaram o porto de Imbituba na manhã desta terça-feira, 15 de dezembro. A empresa, que fabrica contêineres para gás, demonstrou interesse em se instalar na cidade, especialmente na Zona de Processamento de Exportação (ZPE). Desde o mês de setembro é avaliada a vinda da multinacional para região.

Essa é uma das ações realizada pelo governo de Santa Catarina na intenção de capitar companhias que tenham interesse em fazer movimentações em Imbituba. Durante a visita os representantes da empresa tiveram a oportunidade de fazer as primeiras tratativas e relatar quais são os passos para que a instituição possa vir a se instalar no município.

Para o presidente do porto, Luis Rogério Pupo Gonçalves, a vinda é uma movimentação que eles pretendem que seja efetiva. “Gostariam de ter praticamente um berço especifico para eles, então envolve um processo de construção e de obra. Então tudo agora depende efetivamente deles apresentarem projeto, nós detalharmos essas variáveis todas e entendermos melhor como isso pode ser adequado a nossa realidade”, relata Luis.

A empresa tem interesse em 19 hectares da zona de processamento de exportação na ZPE. Com isso o investimento pode chegar a mais de R$3 bilhões de reais ao longo dos anos, que ajudaria a movimentar uma área que hoje é improdutiva em Imbituba.

A Unisul realizou diversos estudos de zoneamento do porto para facilitar a instalação de empresas, como essa, no local. Segundo o Pró-Reitor de Operações e Serviços Acadêmicos, Valter Alves Schmitz Neto, o processo faz parte das estratégias de ação da Universidade, em especial do mapa estratégico que a reitoria definiu como meta de trabalho dos próximos cinco anos. “Estamos aqui cumprindo a missão institucional e em especial dando a nossa contribuição para ajudar na proporção do desenvolvimento regional”, conta.

A possibilidade da instalação dessa empresa poderia ajudar o estado, que hoje importa mais de dois milhões de metros cúbicos do gasoduto Brasil – Bolívia. Atualmente existe a carência de um porto que possa receber o gás líquido, o que seria possível com a vinda da multinacional norueguesa.

“A região sul é uma região que precisa de empreendimentos para se desenvolver de forma mais acelerada e esse é o objetivo. Não tenha dúvida de que essa empresa vai promover um desenvolvimento econômico social mais rápido”, afirma o vice-governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira.

COMPARTILHAR