Unisul e a performance de crescimento da região Sul

Ao conhecer o Curso de Economia do Imes – Instituto Municipal de Ensino Superior -, hoje Unisul -, para relatar ao Conselho Federal de Educação o processo de seu reconhecimento, o professor Heitor Gurgulino de Souza profetizou: nasce aqui o embrião de uma grande universidade brasileira”. Meses depois, Gurgulino assumiria em Tóquio a Reitoria da Universidade das Nações Unidas, e hoje é o secretário-executivo da União Internacional das Universidades, em Paris.

Dois outros fatores marcaram os primeiros passos do Imes. O Curso de Economia surpreendeu, já com a primeira turma de 41 anos, em qualidade e espírito empreendedor, dirigido por apenas cinco professores: o diretor Osvaldo Della Giustina, e Aroldo Silva, Anastácio Katcips, Fernando Marcondes de Mattos, Irineu Argemiro Brodbeck. O segundo fato foi a presença, na qualidade de patrono dos formandos, do economista e professor doutor pela Sorbonne, Alcides Abreu, que implantou a infraestrutura do desenvolvimento social e econômico de Santa Catarina. Na ocasião, ele prognosticou que seremos um Estado diferenciado. E encomendou à nossa Instituição o planejamento da região Sul.

Assim, a Unisul nasceu com o compromisso de contribuir para o crescimento sustentável de Santa Catarina. No Governo de Colombo Salles, até então denominada Fundação Educacional do Sul de Santa Catarina, foi um dos pilares no planejamento da região.

Uma década após a instalação da Unisul, Tubarão sofre uma irresistível enchente, que destrói mais de 40% de suas casas e comércio e mata cerca de 190 pessoas. A consequência também é inevitável: cerca de três mil tubaronenses buscam nova vida em outras cidades catarinenses, principalmente Florianópolis e Joinville. Mas a presença da Unisul, ajudando a reconstruir a cidade, estimula o retorno de grande parte dos cidadãos e a retomada do desenvolvimento social e econômico. Hoje, Tubarão é uma referência em centro de saúde e em educação, além de se qualificar com o potencial de cidade de qualidade de vida.

A Universidade

O professor Osvaldo Della Giustina, fundador e primeiro dirigente, lembra um fator valioso da história da região. “Nossos antepassados eram trabalhadores incansáveis, empreendedores e perseverantes, que deixaram importantes lições aos seus descendentes. Com essa genética, a Unisul ensinou e praticou a teoria de se criar, inovar e abrir novos rumos. A nossa Universidade tem sido o espaço da convergência, um polo cultural, o caminho da passagem do rio, por onde fluem as ideias e onde se misturam o saber popular com o saber científico”, salientou.

A Unisul foi bem além de seus sonhos. Expandiu-se para a Grande Florianópolis, instalando-se em Palhoça e na Ilha de Santa Catarina, alcançou Araranguá, Braço do Norte e Içará, e implantou a UnisulVirtual, com 78 polos espalhados pelo Brasil. Hoje, ela desfruta do conceito máximo em qualidade de ensino – 5 -, de acordo com a avaliação do MEC.

O advogado Paulo May, que assumiu a prefeitura depois da demolição das águas em 1974, costumava dizer que, “sem a Unisul, Tubarão teria de renascer, porque o êxodo atingiria grande parte da sua população e o espírito de reconstrução seria nulo”.

A Unisul transformou-se em uma base de sustentação social, ajudando a prefeitura a minimizar as dificuldades de atendimento médico-hospitalar e em outras áreas da saúde, além de prestar assistência jurídica e até mesmo na orientação técnica à construção de casas.

A reconstrução da Unisul

Ao completar 55 anos, a Unisul encontrou um parceiro para vencer os desafios da modernidade. Assinou contrato com a Ânima, um dos maiores grupos de ensino superior do Brasil, para sanear suas dificuldades financeiras e voltar a investir em seu crescimento. Seus cursos se destacam pela qualidade alimentada pelo espírito de inovação e empreendedorismo. 

COMPARTILHAR