“2º Seminário Imaginário e Memória” abre com palestra sobre nostalgia e imaginação mnemônica

A professora Ana Paula Goulart Ribeiro (UFRJ) ministrou na noite desta terça (27) a palestra “Nostalgia e imaginação mnemônica”. Atividade abriu o 2º Seminário Imaginário e Memória – Conexões e Presença, organizado pelos grupos de pesquisa Imaginário e Cotidiano e Memória, Afeto e Redes Convergentes do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Unisul.

Ana Paula iniciou sua palestra destacando a genealogia do termo nostalgia, desde a história intrigante de sua origem na medicina, até o amplo uso na atualidade, no marketing e na produção audiovisual. “A nostalgia é um fenômeno tipicamente moderno, resultado da consciência da fugacidade da existência ou do luto pela perda do encantamento do mundo. A nostalgia está presente hoje em diversos espaços, um boom que parece apontar para um cenário de vínculos sociais e afetivos frágeis. Buscamos no passado a segurança que não temos no futuro”, destaca.

A pesquisadora detalhou que a nostalgia passou a ser entendida como um fenômeno multifacetado. “A nostalgia indica um fenômeno multicamadas, com níveis de engajamento e interação. É ambivalente. Se realiza na tensão entre desejo e falta. A memória está sempre em construção e a imaginação tem um papel fundamental nesse processo. A memória é um processo dialógico e criativo no qual a imaginação age integrando elementos essenciais. A ideia da imaginação mnemônica permite pensar o fenômeno além.

Para o prof. Dr. Mário Abel Bressan Júnior, organizador, a fala da professora Ana Paula foi gratificante. “Vem muito ao encontro dos estudos de memória e afeto porque trouxe a nostalgia como um elemento norteador de sensações e inquietações a respeito do sentir e agir do sujeito. Foi sensacional ver a abrangência das teorias sobre nostalgia”, agradece.

A palestrante

Ana Paula Goulart Ribeiro é professora da Escola de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Cursou jornalismo e história na Universidade Federal Fluminense. Fez mestrado e doutorado em Comunicação e Cultura na UFRJ e pós-doutorado em história contemporânea na Universidade de Grenoble, na França.

A pesquisadora coordena o grupo de pesquisa Mídia, Memória e Temporalidade, o Memento, e é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq. Foi responsável pela redação do livro Jornal Nacional: a notícia faz história.

Além disso, é autora dos livros Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 50 e Televisão e Memória: entre testemunhos e confissões, este último em coautoria com Igor Sacramento. Organizou diversas coletâneas, como Mídia e Memória, Comunicação e História, Mikhail Bakhtin: linguagem, cultura e mídia e História da Televisão no Brasil.

O Evento

2º Seminário Imaginário e Memória – Conexões e Presença, com mais de 470 inscritos e reunindo pesquisadores do tema em todo do Brasil e do exterior até sexta-feira (30) à noite, é um evento de caráter científico que visa à difusão de pesquisas e debates de temas ligados à linguagem, à cultura, ao imaginário, à memória e outros afins, numa perspectiva interdisciplinar.

“O mundo pós-moderno, suas novas formas de conexão e de ser e estar presente, mobilizam nossas reflexões especialmente a partir de questões ordinárias do cotidiano e dos nossos localismos e regionalismos. O Seminário é um ambiente de discussão às sensibilidades coletivas forjadas em e por imagens, que perpassam o imaginário coletivo, a memória, a linguagem e a cultura”, explica a prof. Dra. Heloisa Juncklaus Preis Moraes, coordenadora geral do evento.

O Seminário é proposto pela linha de pesquisa Linguagem e Cultura do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina em parceria com cursos de graduação correlatos. A organização é dos grupos de pesquisa “Imaginário e Cotidiano” e “Memória, Afeto e Redes Convergentes”, certificados pela IES e pelo CNPq.

O encontro totalmente on-line e tem como público-alvo prioritários pesquisadores, docentes e alunos de Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado, e graduação. Recebeu trabalhos científicos selecionados que convergem com a temática do evento, submetidos a partir das opções de GTs e, após avaliação e aprovação, foram agrupados para apresentações e debates.

Mais informações nas redes sociais @IMAGINARIOEMEMORIA.

Texto: Emanuelle Querino Alves de Aviz

COMPARTILHAR