AEIOU um espaço de criação audiovisual e integração de cursos

O Laboratório AEIOU, destinado a criação audiovisual na unidade Pedra Branca, mudou para um espaço maior e agora fica na sala 312 B, porém mantém sua estrutura fiel à proposta inicial de um ambiente pluralista na universidade. No AEIOU são desenvolvidos inúmeros trabalhos em áudio 5.1 ou em binaural, desde ensaios fotográficos a filmagens.

A mobilização partiu da união do DCE Norte com os cursos de Cinema, Jornalismo, Naturologia, Psicologia, Publicidade e Propaganda e Serviço Social que além de utilizarem o ambiente para criar materiais de áudio e vídeo, também aproveitam de diferentes formas para reuniões, debates e integração. “O AEIOU é um laboratório multifunções. Nos serve como algo de ponta e também está disponível para outros cursos”, afirma a professora Daniela Germann, coordenadora dos cursos de Comunicação Social.

Para quem não convive na Unisul, pode até estranhar um empenho como esse em manter o Laboratório que foi criado a partir da participação dos estudantes e de acordo com a professora Mara Salla, coordenadora do curso de Cinema, carrega a união em sua história. “O laboratório é um espaço de criação audiovisual e de comunhão entre os estudantes de inúmeros cursos que fazem uso do local. Destaco o caráter pluralista com respeito a diversidade e as relações de tantas áreas que convergem para este laboratório”.

O ambiente estimula os estudantes a saírem do convencional. “É a única sala na Unisul, que faz a pessoa pensar fora da caixa, e dá a oportunidade de a pessoa desenvolver algo, artisticamente falando, inovador, produzir algo de diferente, testar, experimentar, acho que essa é a principal importância da sala do AEIOU”, ressalta Victor Gaspodini Della Giustina, presidente do DCE Norte.

Esse pensamento se estende também entre os alunos e coordenadores de curso, assim pontua Mariele Gomes, que integra a comissão Salve AEIOU e optou em estudar na Unisul devido ao Laboratório. “Em 2015 vim visitar uma amiga que estuda Naturologia e coincidentemente estava acontecendo uma festa aqui na Unisul que se chama Anatoma e o AEIOU estava aberto com as pessoas nesse espaço. Então fui conhecer e fiquei impressionada com a estrutura dentro da universidade e isso foi um diferencial que contou bastante para eu escolher estudar aqui”, atribui.