Seminário Imaginário e Memória discute imagens da/na infância

A apresentação das professoras Juliana Tonin (PUCRS) e Luciane Pandini Simiano (Unisul) na noite de quarta-feira (28) provocou olhares para a sensibilidade que as pesquisas com imagens da/na infância suscitam em mesa-redonda mediada pela professora Heloisa Juncklaus Preis Moraes. O evento deu prosseguimento ao “2º Seminário Imaginário e Memória – Conexões e Presença”.

Infância: mentalidades e imagens

Através de um exercício com imagens, Juliana Tonin propôs uma reflexão sobre a imagem, que a professora considera “uma espécie de simpatia universal”. Trazendo recortes históricos, a pesquisadora resgata imagens que demonstram a fragilidade, a vulnerabilidade da criança. Segunda ela, “a infância não tem uma definição fixa, eterna” – mas as imagens permitem compreensões das infâncias, imagens que traduzem o agir e sentir a infância; além de possibilitar a identificação de padrões de comportamento e compreender o próprio imaginário da infância.

A mentalidade da morte da criança e a mentalidade do desenvolvimento, para a pesquisadora, são paradigmas que geraram uma categorização do desenvolvimento infantil, fazendo nascer a infância ancorada no determinismo biológico, a criança como uma matéria. Ela sente que esse imaginário levou para uma ausência do sujeito-criança.

“Um dos nossos grandes desafios é que não ouvimos as crianças”, concorda Luciane Pandini. Em diálogo, a pesquisadora pensa a pedagogia que ainda está vinculada aos modelos, aos métodos. Na mesa-redonda, ao apresentar a pesquisa de doutorado que realizou na Itália, contextualiza que não há uma tradição de documentação pedagógica no Brasil. “Eu vejo que o grande desafio é compreender a documentação pedagógica como uma ética de encontro com o outro”, completa.

A mediadora, professora Heloisa Juncklaus Preis Moraes, destaca que a mesa-redonda permitiu olhar para o tema, o que provoca para “potencializar a mentalidade em uma criança autora, uma criança pessoa, ausente”. A pesquisadora coordena o 2º Seminário Imaginário e Memória – Conexões e Presença.

Conheça as pesquisadoras

Juliana Tonin é comunicóloga, professora Adjunta do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Famecos/PPGCOM /PUCRS, atuando na linha de pesquisa Práticas Culturais nas Mídias, Comportamentos e Imaginários da Sociedade da Comunicação. Pós-doutora em Sociologia da Infância pelo CERLIS (Centre de Recherche sur les Liens Sociaux) de la Faculté de Sciences Humaines et Sociales, Sorbonne, Université Paris Descartes,Paris V, França, Juliana estuda questões da infância, comunicação, e dos estudos de imagem e imaginários. A pesquisadora é proponente e coordenadora do GP “Comunicação, Imagem e Imaginário” da Intercom; líder do Grupo de Pesquisa Infâncias, Comunicação e Imaginários (GIM Pesquisa); e proponente e coordenadora do “Laboratório de Pesquisas da Comunicação nas Infâncias” (LabGim), em parceria com o “Centro Marista de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente” e da “Fundação Irmão José Otão”. A parceria congrega interesses comuns no que concerne a dinamização de pesquisas aplicadas e inserção social voltadas para a promoção dos direitos da criança e do adolescente.

Luciane Pandini Simiano é doutora em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, realizando parte de seu doutoramento na Università degli Studi di Firenze no período de novembro 2013 a maio de 2014, mestre em Educação pela Unisul e graduada em Pedagogia. Atualmente é professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisul; líder do Grupo de Pesquisa “Educação, Infância e Gênero” (GEDIG) e pesquisadora da “Rede Internacional de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Política” (RIPPEP). Coordenadora Institucional do “Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência” (PIBID), é membro do grupo gestor do Fórum de Educação Infantil da região Sul de Santa Catarina. Com experiência na área de educação, Luciane trabalha com temas como educação infantil, educação de bebês, narrativa e experiência, documentação pedagógica, docência e formação de professores.

Heloisa Juncklaus Preis Moraes é doutora em Comunicação Social pela PUCRS, docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e líder do Grupo de Pesquisas Imaginário e Cotidiano.

Conheça o evento

O “2º Seminário Internacional Imaginário e Memória” acontece de 27 a 30 de abril de 2021 de forma on-line e tem como público-alvo pesquisadores, docentes e alunos de graduação e de pós-graduação (especialização, mestrado e doutorado). Nesta edição, o Seminário tem como tema “Conexões e Presença”. O evento tem caráter científico interdisciplinar e visa à difusão de pesquisas e debates de temas ligados à linguagem, à cultura, ao imaginário, à memória e afins.

Além da mesa-redonda, neste segundo dia de evento (28), centenas de pesquisadores estiveram reunidos em ambiente virtual para diversas apresentações aproximadas em três Grupos Temáticos: Memória e literatura; Imaginário, territorialidades e os aspectos da cultura; e Imaginário e educação.

Mais informações nas redes sociais @imaginarioememoria.

Texto: Reginaldo Osnildo.

COMPARTILHAR